Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Natureza’ Category

 

É humanamente impossível para qualquer que tenha um pingo de sentimento, não refletir sobre o sofrimento pelo qual passa a população do Japão desde 11 de março, sexta feira passada.
Impressionante o poder da natureza, cuja força destrói cidades inteiras, modifica paisagens e tudo, de repente.
Temos vivido ultimamente sob o impacto de muitas ocorrências dramáticas de manifestações da natureza em sua nova fase.
Ela é a Dona da casa, dessa casa, a Terra, que a humanidade, como péssima hóspede, não tem sabido respeitar.
Aqui chegamos e encontramos tudo pronto para nos manter com fartura e abundância. Nada deveria faltar a ninguém.
Mas, a ambição e a ganância, somadas à vaidade de se julgar uns melhores do que outros, fez com que a humanidade desenvolvesse o materialismo desenfreado, arquitetando sistemas econômicos e financeiros sem o crivo do bom senso, que tem favorecido uns com tanto a ponto de botar fora, em detrimento de outros, em miséria absoluta.
A Natureza é de transformações. E nessas transformações tem o poder maior para, através delas, colocar tudo e todos em seus devidos lugares, porque não há efeito sem causa.
O ser humano peca por desconsiderar a natureza como um SER VIVO e soberano. De inteligência ímpar e de justiça implacável.
Perante nossa Mãe Natureza, quem é capaz de dizer que vale alguma coisa?
Portanto, é prudente ouvir a Mãe Natureza e respeitá-la em todas as suas manifestações, pois, todas elas têm um grande recado aos seres humanos.
A casa é dela, não é nossa, porque nós não somos daqui. E temos insistido em dizer isso aqui neste espaço. E sendo passageiros neste mundo, de vida provisória e passageira, por que montamos um sistema de vida com tantas complicações, com tantas sofisticações, sacrificando matas, rios, oceanos, a fauna e o ar?
A resposta é muito simples, foi a vaidade, a ganância e a ambição que fez com que o ser “humano” se sentisse dono da Natureza – que absurdo, dono da Natureza!
Aí houve a inversão de valores. A anfitriã passou a ser considerada serva, e os hóspedes avocaram para si todos os direitos sobre a morada, que nunca lhes pertenceu.
Mas, os abusados se esqueceram que nada são e que a natureza tudo é.
Se a humanidade tivesse se preocupado ao longo dos milhões de anos em que na Terra se hospeda, com a simplicidade, o amor verdadeiro por todos os elementos da natureza e sua preservação, a própria Natureza, que nos gera, cria, comanda e mantém, teria orientado todos para o desenvolvimento de um progresso natural, com ênfase ao amor ao próximo como a si mesmo e a valorização do SER, ao invés do TER.
Mas, a humanidade sempre foi rebelde, nunca esteve satisfeita com o que recebe. Achou muito pouco as matas com seu ar medicinal, com suas frutas riquíssimas e demais alimentos, não se sentiu feliz com a grandeza dos rios, cachoeiras e mares igualmente ricos de alimentos, não respeitou a fauna, não agradeceu ao sol, a lua, as estrelas, à terra que tudo sempre gerou com desprendimento.
O ser “humano” não aprendeu com o desprendimento da Natureza, sempre se imolando para nos alimentar e vestir.
Não se conformou com a vida singela do campo, onde bastava um pomar, uma horta, um fogão à lenha e a família unida, trabalhando para se manter e tendo tempo de sobra para aprender com a Natureza.
E a Natureza, como Mãe extremamente bondosa, foi fazendo o gosto e a vontade desses hóspedes que adotou como filhos.
Agora estamos vendo o resultado de tudo que plantamos nas vidas passadas: ninguém entende ninguém, o desequilíbrio moral, físico e financeiro tomou conta do mundo. E qual é a causa? A falta de obediência às leis naturais, que fez com que o ser “humano” somente pensasse e imaginasse, mas, jamais RACIOCINASSE.
E ainda têm a coragem de dizer que raciocinam, porque não sabem o que é raciocínio.
Quem raciocina conhece a linguagem universal que nos habilita ouvir e entender a voz do sol, da lua, das estrelas, das águas, da terra, dos animais e dos vegetais. Entende e se comunica também com todos os elementos invisíveis mantenedores de todo o existente.
Para ver como ninguém raciocina, pois, nem os próprios “humanos” se entendem entre si.
E, assim, pela falta de conhecimento verdadeiro da vida, a humanidade há muito se desligou da natureza, passando a viver contra ela, deixando de ter as orientações certas da Natureza para se proteger, com segurança, dos lugares marcados para ocorrências naturais fatais.
De forma, que pelo desconhecimento da vida, os seres “humanos” passaram a ocupar áreas que não deveriam ocupar, passaram a utilizar recursos da Natureza os quais não deveriam nem tocar, inventando coisas desnecessárias para o equilíbrio humano.
Tudo errado, por tudo ter sido fruto do gosto e da vontade sem limite.
Agora, a Natureza, desde 1935, providenciou uma nova fase, para dar a todos a oportunidade de se conhecerem pelo desenvolvimento do raciocínio.
Encomendou a Fase Racional, trazendo a cultura do nosso mundo de origem, a CULTURA RACIONAL, onde todos conhecerão o princípio e o fim do mundo, para que aquilatem o quanto todos erramos, porque erramos e como reverter essa situação para uma situação de acertos, através do desenvolvimento da mente superior, que é o raciocínio. Nessa cultura, finalmente, vamos aprender a raciocinar.
E quando todos estiverem raciocinando, não haverá mais catástrofes, pois, não haverá mais necessidade de providências drásticas da Mãe Natureza para colocar as coisas nos seus devidos lugares, porque tudo caminhará como a anfitriã determina e, não, de acordo com os gostos e vontades de seus hóspedes, que somos nós.
O entendimento será universal entre tudo e entre todos e o mundo será, finalmente, um Verdadeiro Paraíso Racional. Mas, para que isso aconteça, cada qual tem que fazer somente a parte que lhe compete, desenvolver o seu raciocínio estudando a CULTURA RACIONAL, nos Livros Universo em Desencanto.
Que a tragédia do Japão traga este saldo positivo: a reflexão e opção de todos pelo verdadeiro bem, o raciocínio, porque com o pensamento ninguém resolve mais nada, já que a fase do pensamento terminou em 1935. Procurem se certificar de tudo isso, para o seu próprio bem e o de toda a sua família.

Anúncios

Read Full Post »


Minha gente!
Quanto temos falado sobre o desenvolvimento do raciocínio!
Quanto temos recomendado a todos o desenvolvimento do raciocínio!
E somos muitos, não poucos, pelo mundo inteiro, alertando à humanidade para esta nova fase da Natureza, em que todos que se ligam a ela encontram a tranqüilidade de um viver sem barreiras. Um caminhar dentro de uma consciência positiva e, por assim ser, um caminhar natural, calmo, benfazejo e libertador dos grilhões da matéria.
A matéria é um mal. Mas, um mal necessário até que se complete nossa verdadeira compreensão RACIONAL da vida.
Mas, apesar de nossos persistentes e pacientes esforços para dar a todos o entendimento da grandiosidade dessa gloriosa Fase Racional (do desenvolvimento do raciocínio), olhem bem para o mundo como está: a humanidade ainda desunida e caminhando como cabras cegas, sem saber o que está fazendo, sem saber como pisa, por teimar em NÃO SE CONHECER.
Chegamos, assim, à conclusão, que não temos sabido esclarecer a contento, apesar dos nossos desprendidos esforços nesse sentido, divulgando dia e noite e noite e dia os Livros da Mãe Natureza para o SE CONHECER pelo desenvolvimento do raciocínio.
Divulgação que não tem dia nem hora, nem sol, nem chuva, nem tempo, nem distância e, muito menos, sem nos importar com as despesas para essa divulgação.
Como sensibilizar nossos irmãos semelhantes para a seriedade e urgência do SE CONHECER?
Vamos procurar aqui e agora mostrar-lhes como é imprescindível passar a SE CONHECER, para que a própria Natureza se equilibre e não tenha mais necessidade de nos lapidar.
Lapidar é fazer sofrer, até reconhecer que não podemos remar contra as correntezas, ou seja, não podemos caminhar em desarmonia com as leis naturais que regem todo o universo em que vivemos.
Olha, minha gente, pode uma pessoa passar temporada, longa ou não, na casa de alguém sem respeitar a casa desse alguém?
Para responder a essa pergunta, coloque-se no papel de anfitrião que está hospedando um semelhante seu.
Bem, naturalmente sua casa tem as normas e os costumes que você determinou para o bom andamento de sua família e a conseqüente harmonia do seu lar.
Pois é, agora calcule como você se sentirá se esse hóspede, que você recebeu com todo respeito e carinho, começar a mudar tudo em sua casa, sem lhe consultar e, mais, começar a dirigir e comandar a sua casa e sua família como se fosse o dono delas.
Você vai gostar?
Claro que não, porque tudo vai se desandar!
Desandar, sim, pois esse hóspede não sabe o porquê das normas e costumes de sua casa que, com muita luta, esforço e paciência, você conseguiu implantar junto aos seus para harmonia da família e bom andamento da organização da sua casa.
Portanto, ante o desrespeito do hóspede, que desconhece as leis que implantou em sua casa, num esforço em prol da sua família, então, ante esse desrespeito, sua pessoa não vai ficar nada satisfeito ou satisfeita e vai começar a desejar que aquele hóspede retorne para de onde veio.
E se esse hóspede é muito abusado, sem desconfiômetro, com certeza você começará a fazer de tudo para que a estadia do hóspede deixe de ser uma estadia agradável, até que esse hóspede se conscientize de seus abusos, respeite as normas familiares que você determinou para sua casa e conclua que o melhor é ele retornar para de onde ele veio.
Bem, minha gente, assim somos nós neste mundo em que vivemos: somos hóspedes.
Mas,  uns hóspedes muito inconscientes, abusados, por nos acharmos donos deste mundo onde estamos há muitos milhões de milênios, sem conhecimento algum das leis naturais deste mundo, que já encontramos pronto! Achando sempre que tudo é nosso, até as pessoas, por vivermos completamente desconhecidos de nós mesmos e da Natureza que nos gera, cria, mantém e governa.
Vivemos, assim, uma vida de bichos, ambicionando tudo de material, por grande obscuridade do espírito.
A matéria é um ser e um estado provisório, sendo que o nosso ser verdadeiro não é material, nem provisório: é eterno!
Portanto, não somos daqui deste mundo material. Estamos aqui de passagem, razão porque daqui nada, nem ninguém levaremos conosco.
Enquanto não nos conscientizarmos disso, essa grandiosa anfitriã, a Mãe Natureza, dona de tudo e de todos, vai tornar nossa vida cada dia mais difícil, cheia de sofrimentos, lágrimas e dores, até que acordemos deste sono de pedra, deste sono material.
A Natureza, essa bondosa anfitriã, que vem nos aturando há milhões de milênios, está muito cansada de nos dar sempre tudo de graça e somente receber a grosseria e a ingratidão de nós, seus hóspedes, bem como o hediondo e milenar desrespeito às suas leis naturais, vivendo nós como verdadeiros parasitas dela.
E, por isso, cansada de assistir tanta inconsciência, a Natureza trouxe para nós o conhecimento dessas leis, que congregam a cultura natural dela, a Cultura Racional, que é completamente diferente dessa cultura artificial que criamos pela nossa vontade de querer fazer melhor e mais do que a Dona de todas as vidas, a Natureza.
Essa magnânima anfitriã, de tão bondosa que é, fez todas as nossas vontades, respeitando nosso livre arbítrio, a ponto de atender nossos desejos absurdos de criar coisas contra ela própria, assim como os instrumentos bélicos e a bomba atômica.
E, assim, é que foi criada a cultura artificial, filosófica e científica, irradiada pelo pensamento e a imaginação, cujas conseqüências têm degenerado, têm deformado e têm poluído toda a Natureza, inclusive nós.
Cansada, sim, muito cansada a Natureza está. E a prova desse cansaço é ela ter mudado de fase, da fase do pensamento, onde alimentava nossos desejos,  ambições, sonhos,  ilusões e fantasias, mudando para a Fase Racional, onde ela, através do desenvolvimento do raciocínio, nos ensina, pela derradeira vez, suas leis naturais, desvendando todos os mistérios, fenômenos, finitos e transfinitos e ainda nos revelando nossa e sua verdadeira origem.
E o que isso significa para a humanidade?
Significa o fim da classe do animal Racional e o início da evolução humana para a classe de Racional, deletando essa parte animal embrutecida, grosseira, atrasada, que, por viver desconhecida de si mesma, nunca respeitou as leis naturais da casa em que está de passagem, que é este mundo material.
Então, minha gente, essa mudança de fase da Natureza é o BASTA  dela aos abusos do animal Racional, dando uma decisão em todos nós: “RACIOCINE! PARE DE PENSAR, SENÃO LIQUIDO VOCÊ!”
E nesse cansaço milenar a Natureza já não suporta mais os abusos; ainda mais quando já nos deu a solução do nosso desequilíbrio pelo desenvolvimento do raciocínio na CULTURA RACIONAL – e vê a grande maioria sem interesse algum pelo presente que nos deu e sem ao  menos curiosidade de averiguar de que se trata.
Essa a razão dessa situação tenebrosa no mundo inteiro, de tantas hecatombes, monstruosidades e destruições pavorosas: a Natureza cansada, está liquidando todos aqueles que não querem SE CONHECER, nem conhecer as leis naturais da Natureza.
Situação essa que vai crescer assustadoramente, enquanto todos não passarem a SE CONHECER pelo desenvolvimento do raciocínio.
Livre dela, dessa situação horrorosa, apenas estarão os corações humildes que acataram e estão acatando as recomendações e advertências dessa paciente e bondosa anfitriã, que é a Natureza, que desde 1935 está a nos dizer:
“Quem és tu, que a ilusão é tanta, incapaz de definir o teu eu?!”
“Raciocine, porque a fase do pensamento terminou e o pensador perdeu o direito de viver.”
“Leia e releia os Livros de Cultura Racional Universo em Desencanto, a cultura natural da Natureza, para não descer para as classes inferiores do animal irracional, porque a Natureza é de transformações.
Raciocinando se transforma para cima e retorna à sua verdadeira origem, no seu verdadeiro estado natural de energia pura, limpa e perfeita.
Pensando se transforma para baixo, continua na matéria como bicho irracional, porque na Natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma de uma vida para outra e de uma forma para outra, porque a Natureza é de transformações!”
Acorda, minha gente, que ainda há tempo de SE CONHECER!

Read Full Post »

 

Estamos mergulhados num mar de lama, que é a matéria.
O atraso, a falta de conhecimento da vida, fazendo com que valorizemos esse mar de lama como um mar de flores.
E é tão grande essa cegueira (porque todo atrasado, cego é), que invertemos o valor real da vida, tornando-o nossa própria morte.
Numa reflexão sobre os últimos acontecimentos dramáticos na Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro, chega-se à conclusão da iniqüidade da nossa civilização.
Uma civilização que se perdeu pelas aparências, civilização essa que foi criada arduamente pela Natureza Mãe, não para exaltação da matéria, mas, sim, para o desprendimento dela.
O ser humano perde sempre, devido à vaidade de se sentir dono de sua vida e do mundo, ao invés de reconhecer sua impotência e nulidade ante a Força Maior, que é a Natureza Mãe!
As águas caíram, como uma avalanche de lágrimas da Força Maior, que é a Natureza Mãe, por se ver obrigada a liquidar seus próprios filhos, que resistem aos seus chamados de atenção para enxergarem além do transitório e passageiro, que é a vida material.
E no mar de lama e de dor em que se transformaram as cidades serranas, lá ficou patenteado o desgosto de uma mãe zelosa, mal entendida, mal compreendida e muito mal amada.
Quantos choros mais serão necessários dessa Mãe Querida, responsável e benfeitora, que é a Natureza, para acordar esses infantes filhos que, incontinentes na idolatria material, ainda se acham no direito de questionar esse desabafo sofredor de uma Mãe que só faz amar, a troco da ingratidão?
Não é hora de pedir socorro!
Não é hora de reclamar, de chorar e muito menos de implorar!
É hora, sim, de pedir perdão à nossa Mãe Querida, que é a Natureza!
Hora mesmo de se envergonhar de tudo de inconseqüente que essa humanidade tem insistido em perseguir, ao invés de investir no amor ao próximo como a si mesmo e fazer o bem sem olhar a quem!
É exatamente aí que se encontra o nosso erro, onde o pensamento e a imaginação, ludibriando-nos através dos sonhos, das fantasias e das ilusões, vão conduzindo, sorrateiramente a humanidade ao culto do artifício e ao desprezo do natural.
A vida é boa, a vida é bela, quando voltada para o engrandecimento do ser e a desvalorização do ter.
Mas, a humanidade, julgando-se merecedora daquilo que não deva ter, cultua a prosa, a aparência, o egoísmo, a ambição e a ganância, passando por cima da VERDADE e alimentando a mentira para regalo de suas conveniências.
E o que é isso?
Atraso.
E o que é o atraso?
Falta de conhecimento verdadeiro da vida, falta de harmonia com a Natureza Mãe.
E quem são os culpados de tanta ignorância e falta de saber?
Os que não fazem caso do conhecimento que já na Terra está, onde, à disposição de todos indistintamente, há 75 anos, a Mãe Natureza vem transmitindo quem somos, de onde viemos e para onde vamos.
Chega desse atraso!
Chega dessa ilusão com tudo que parece ser e não é!
Chega desse encanto!
Acorda, minha gente!
Procurem estudar Universo em Desencanto!
http://www.universoemdesencanto.com.br
http://www.encontroracional.com.br
http://www.nalub7.wordpress.com.br

Read Full Post »


SEM PRECISAR PEDIR
Minha gente, a natureza é de mudanças sucessivas. A própria mudança das estações, o nosso nascimento, crescimento e envelhecimento provam isso.
Assim como nascemos e crescemos e evoluímos, assim é a natureza: um ser vivo, do qual dependemos, pois fazemos parte dela.
Pois, então, procurem observar a natureza.
Ela, essa natureza diversificada, deformada, degenerada e poluída, teve também sua geração, seu nascimento, crescimento e evolução.
O que acontece agora, é que ela alcançou sua fase maior, sua maioridade.
Ela alcançou a fase em que sai da adolescência para sua fase adulta, a fase RACIONAL.
O que isso significa?
Significa que este ser, que é a natureza, está se despindo dos seus procedimentos inconscientes de adolescente, voltados para a matéria, voltando-se para o alto, para o seu lugar de onde saiu: o MUNDO SUPERIOR, a sua origem, o MUNDO RACIONAL.
Desprendeu-se da função unicamente material, visível e invisível, voltada para baixo, função transitória e passageira, onde governava através das irradiações elétricas e magnéticas do pensamento e da imaginação, para se ligar em sua função adulta, de reconhecer e se voltar à sua gênese verdadeira, onde começa sua jubilosa trajetória para retorno à sua origem.
E, assim, passou a ter ação através de sua função, não transitória, função essa de sua própria reconstrução para alcançar a eternidade.
Passou, portanto, a natureza, a raciocinar, ou seja, a saber como voltar à vida eterna.
Ora, sendo nós, gerados, criados, mantidos e governados por ela, somos obrigados por ela, por bem ou por mal, a adotar o mesmo comportamento.
Por bem, procurando compreender e colaborar com ela nessa nova função, aceitando essa nova função com alegria e gratidão.
Por mal, sendo lapidados por ela, levando surras e mais surras até aceitar a nova realidade e, se não aceitarmos, sendo destruídos por ela, para que não sejamos um obstáculo à sua ascensão e retorno à vida verdadeira, a vida eterna.
E assim é que a natureza mudou de fase, da fase do pensamento para a fase do desenvolvimento do raciocínio, a Fase Racional. E nós somos obrigados também a realizar a mesma mudança, cada um em si mesmo.
Mas, como a vontade é livre, os que não aceitarem essa mudança, serão conduzidos às classes inferiores de animais irracionais, classes essas onde esses renitentes pensadores passarão sete eternidades de sofrimentos horríveis, para resgatar a hedionda dívida de não querer aceitar nossa origem verdadeira, seu habitat natural, o MUNDO SUPREMO, Dono ABSOLUTO de tudo e de todos.
Portanto, minha gente, saímos da fase do pensamento e passamos para a fase em que vamos aprender a raciocinar, saindo da fase inconsciente para a fase consciente, a fase onde vamos aprender a resolver, nós mesmos, todos os nossos problemas, através do desenvolvimento do raciocínio.
Mas, para isso, para aprender tudo isso, nossa bondosa Mãe Natureza nos está transmitindo todo esse saber, de verdade das verdades, através dos Livros de Cultura Racional, Universo em Desencanto.
E então, como vamos dar solução a todos os nossos problemas?
Seguindo as orientações que nos são dadas do MUNDO SUPREMO, o MUNDO RACIONAL, nos Livros Universo em Desencanto.
E em seguindo à risca essas magnânimas orientações, nossa função Racional, que está adormecida no centro de nossa cabeça, na mente superior, na glândula pineal, começa, muito naturalmente, sem que percebamos, começa a entrar em ação, ajustando nosso ser às leis naturais da natureza e nos reconduzindo à nossa origem verdadeira, a vida eterna, dos puros, limpos e perfeitos, com seu progresso de pureza.
Mas, antes da entrada da Fase Racional, quando ainda vigorava a fase do pensamento, vivíamos como cegos de olhos abertos, olhando para o mundo e sem conhecer sua causa, sua origem e sua base, olhando para nós próprios e pensando que éramos mesmo animais Racionais, desconhecidos de nós mesmos, sem saber de onde viemos, como viemos, para onde vamos e como vamos. E tudo isso, por desconhecer que tínhamos ainda a desenvolver a parte mais sublime da vida, o ponto fundamental da vida eterna: o raciocínio, onde está toda a solução da nossa vida e da vida eterna.
E por causa desse desconhecimento do nosso verdadeiro ser, o raciocínio, não tínhamos poder algum de solução dos nossos problemas.
Daí, termos vivido, por 21 longas eternidades, a fase de pedintes.
A impossibilidade de resolver nossos próprios problemas nos levava a pedir, a implorar, devido o grande sofrimento que essa falta de sabedoria nos causava e ainda causa a todos que ainda estão pensando.
E, assim, pedíamos, rezávamos, implorando aos santos, a forças do campo espiritual para nos valer ou nos dar um paliativo para tantos sofrimentos. Até promessas fazíamos, cujos cumprimentos muitas das vezes nos traziam grandes sacrifícios morais, físicos e até financeiros.
E as milhares de novenas pedindo socorro! Quanta lapidação, para hoje resultar nesse mundo completamente desequilibrado, onde a violência, o desrespeito, o terror, as guerras e as doenças fizeram morada, sem contar as tragédias naturais, que ceifam vidas preciosas.
Mas, como éramos cegos de olhos abertos, não sabíamos resolver nós próprios os problemas por nós mesmos criados, pois éramos guiados pelo pensamento inconsciente. Portanto, tudo isso foi muito válido para amenizar nossa dor temporariamente e nos acalmar na esperança de dias melhores.
E, assim, só sabíamos pedir, implorar, porque ainda não havia chegado a Fase Racional, vigorava a fase do pensamento, e o pensamento nos fazia de ferramentas para criar o nosso próprio sofrimento.
Mas, felizmente, chegou a Fase Racional e, com ela, terminou a fase espiritual. Na fase espiritual, as forças a ela pertinentes contemporizavam e amenizavam nossas aflições, já que soluções definitivas também não tinham, porque essas forças espirituais também não se conheciam, tal como nós, e não conheciam a origem do tudo existente, atribuindo tudo a mistérios de DEUS.
Quando sabemos que DEUS VERDADEIRO é VERDADE e onde existem mistérios, não existe a verdade e não existe DEUS, porque DEUS é a SABEDORIA ABSOLUTA, não tem mistérios.
Portanto, com a entrada da Fase Racional, a fase consciente e positiva, a fase de retorno à eternidade, precisamos e necessitamos sair da condição de pedintes, porque já está na Terra a solução de todos os nossos problemas, dos nossos negócios e de nossas vidas, pelo desenvolvimento do nosso raciocínio, nos Livros de Cultura Racional, Universo em Desencanto.
Somente o que falta agora é todos nós nos conscientizarmos disso e de que já estamos em plena fase de aparelhos Racionais, bastando apenas que providenciemos a ligação dos nossos aparelhos à energia da Nova Fase, a ENERGIA RACIONAL, para começarmos a aprender a resolver, nós mesmos, todos os problemas de nossas vidas, criados por nós mesmos, como robôs do pensamento e da imaginação, essas duas energias de função única de lapidação e destruição e, não, de salvação.
Essa condição superior de consciência positiva Racional, que torna possível nossa libertação definitiva de escravos do pensamento e da imaginação, será muito naturalmente adquirida, apenas no estudar e reestudar os Livros de CULTURA RACIONAL, Universo em Desencanto, tornando-nos poderosos para conosco mesmos, por nos tornar aptos a resolver todos os problemas de nossas vidas. Aí passamos de viventes pedintes a viventes eternamente gratos.
Na medida em que nosso raciocínio vai se desenvolvendo, todas as orientações precisas e necessárias para o nosso equilíbrio moral, físico e financeiro, serão transmitidas pelos Habitantes do MUNDO RACIONAL e pelo RACIONAL SUPERIOR, por estarmos ligados à ENERGIA RACIONAL, que é a energia do VERDADEIRO DEUS.
Quanto mais horas a pessoa estuda a CULTURA RACIONAL, mais ligada se torna à ENERGIA RACIONAL, e mais orientações certas e definitivas dos seus problemas essa pessoa passa a receber. Até que, depois do raciocínio completamente desenvolvido, a pessoa se desliga completamente dos grilhões da matéria, em vida, deixando de ser robô do pensamento e da imaginação e passando a ouvir a voz do raciocínio, dentro de sua cabeça, dia e noite e noite e dia.
E essa voz do raciocínio é completamente diferente da voz do pensamento. A voz do pensamento é pesada feito um bate estaca, chega e fica batendo forte no cérebro.
Muitas das vezes queremos nos livrar do pensamento e não conseguimos, por ser uma atuação muito pesada, tão pesada e maléfica e tão perturbante, que faz com que muitas pessoas não consigam dormir.
Agora, a voz do raciocínio é leve, suave, nos acalma, nos equilibra e nos dá paz!
E para ouvirmos a voz do raciocínio, é preciso que estejamos em dia com a leitura dos Livros Universo em Desencanto.
E assim, Amigos, pelo exposto, fica esclarecido o porquê que nesta fase em que vivemos, a FASE RACIONAL, não adianta pedir e, muito menos, implorar. Pois, tudo que precisamos e necessitamos nos é dado pela Natureza, muito naturalmente, desde que façamos por onde. E o fazer por onde se resume no estudo diário da solução que já nos foi transmitida por nossa Mãe Natureza, e que essa solução se encontra nos Livros de CULTURA RACIONAL, Universo em Desencanto.
Estando em dia com o estudo de CULTURA RACIONAL, estaremos aptos a captar com fidelidade, todas as orientações que a Natureza está transmitindo em todas as cabeças para a paz, a saúde e o equilíbrio geral de todos.
Mas, como muitos se renegam a se conhecer pela CULTURA RACIONAL, não tem acesso a essas orientações. E, por isso, continuam a pedir e a implorar em vão, porque essa fase de pedintes encerrou com o término da fase do pensamento, ficando o pensador sem ter com quem contar nem onde se agarrar, num “salve-se quem puder e se puder”, razão de uns contra os outros e destruindo uns aos outros, que é o que mais se observa nos dias de hoje, porque querem continuar pensando, na fase do desenvolvimento do raciocínio. E, aí, ficam contra a fase em vigor na natureza, a Fase Racional, entrando em liquidação e perdendo o direito de viver.
É, pois, necessário e urgente assumirmos, com firmeza, a nossa condição de Racional e sairmos da condição de pedintes.
Racional é consciente, sabe que não adianta pedir, porque tudo vem no seu tempo certo.
E o tempo certo é aquele em que a pessoa já se encontra devidamente amadurecida RACIONALMENTE para receber isso ou aquilo sem se desequilibrar moral, física ou financeiramente.
Mas, se pelo costume de pedir, não conseguimos ficar sem pedir, então peçamos:
sabedoria para sabermos viver bem com nossos irmãos;
sabedoria para promover a união, o amor, a paz, a fraternidade e a concórdia universal;
sabedoria para que a gente consiga ver, ouvir e calar;
finalmente, sabedoria para entender as orientações que nossa Mãe Natureza nos transmite, através de nós mesmos ou de terceiros, mas que, na maioria das vezes, deixamos passar sem perceber, por não termos sabedoria suficiente para ouvir a voz do nosso raciocínio.
Enfim, vamos pedir sabedoria para que saibamos viver racionalmente, na certeza de que alcançaremos tudo que precisamos no devido tempo, sem precisar pedir.
Colaboração de Wilma Fernandes, Rio – RJ
http://www.universoemdesencanto.com.br
http://www.encontroracional.com.br
http://origemverdadeira.blogspot.com
http://nalub7.wordpress.com

Read Full Post »

Minha gente!
Quanto temos falado sobre o desenvolvimento do raciocínio!
Quanto temos recomendado a todos o desenvolvimento do raciocínio!
E somos muitos, não poucos, pelo mundo inteiro, alertando à humanidade para esta nova fase da Natureza, em que todos que se ligam a ela encontram a tranqüilidade de um viver sem barreiras. Um caminhar dentro de uma consciência positiva e, por assim ser, um caminhar natural, calmo, benfazejo e libertador dos grilhões da matéria.
A matéria é um mal. Mas, um mal necessário até que se complete nossa verdadeira compreensão RACIONAL da vida.
Mas, apesar de nossos persistentes e pacientes esforços para dar a todos o entendimento da grandiosidade dessa gloriosa Fase Racional (do desenvolvimento do raciocínio), olhem bem para o mundo como está: a humanidade ainda desunida e caminhando como cabras cegas, sem saber o que está fazendo, sem saber como pisa, por teimar em NÃO SE CONHECER.
Chegamos, assim, à conclusão, que não temos sabido esclarecer a contento, apesar dos nossos desprendidos esforços nesse sentido, divulgando dia e noite e noite e dia os Livros da Mãe Natureza para o SE CONHECER pelo desenvolvimento do raciocínio.
Divulgação que não tem dia nem hora, nem sol, nem chuva, nem tempo, nem distância e, muito menos, sem nos importar com as despesas para essa divulgação.
Como sensibilizar nossos irmãos semelhantes para a seriedade e urgência do SE CONHECER?
Vamos procurar aqui e agora mostrar-lhes como é imprescindível passar a SE CONHECER, para que a própria Natureza se equilibre e não tenha mais necessidade de nos lapidar.
Lapidar é fazer sofrer, até reconhecer que não podemos remar contra as correntezas, ou seja, não podemos caminhar em desarmonia com as leis naturais que regem todo o universo em que vivemos.
Olha, minha gente, pode uma pessoa passar temporada, longa ou não, na casa de alguém sem respeitar a casa desse alguém?
Para responder a essa pergunta, coloque-se no papel de anfitrião que está hospedando um semelhante seu.
Bem, naturalmente sua casa tem as normas e os costumes que você determinou para o bom andamento de sua família e a conseqüente harmonia do seu lar.
Pois é, agora calcule como você se sentirá se esse hóspede, que você recebeu com todo respeito e carinho, começar a mudar tudo em sua casa, sem lhe consultar e, mais, começar a dirigir e comandar a sua casa e sua família como se fosse o dono delas.
Você vai gostar?
Claro que não, porque tudo vai se desandar!
Desandar, sim, pois esse hóspede não sabe o porquê das normas e costumes de sua casa que, com muita luta, esforço e paciência, você conseguiu implantar junto aos seus para harmonia da família e bom andamento da organização da sua casa.
Portanto, ante o desrespeito do hóspede, que desconhece as leis que implantou em sua casa, num esforço em prol da sua família, então, ante esse desrespeito, sua pessoa não vai ficar nada satisfeito ou satisfeita e vai começar a desejar que aquele hóspede retorne para de onde veio.
E se esse hóspede é muito abusado, sem desconfiômetro, com certeza você começará a fazer de tudo para que a estadia do hóspede deixe de ser uma estadia agradável, até que esse hóspede se conscientize de seus abusos, respeite as normas familiares que você determinou para sua casa e conclua que o melhor é ele retornar para de onde ele veio.
Bem, minha gente, assim somos nós neste mundo em que vivemos: somos hóspedes.
Mas, uns hóspedes muito inconscientes, abusados, por nos acharmos donos deste mundo onde estamos há muitos milhões de milênios, sem conhecimento algum das leis naturais deste mundo, que já encontramos pronto! Achando sempre que tudo é nosso, até as pessoas, por vivermos completamente desconhecidos de nós mesmos e da Natureza que nos gera, cria, mantém e governa.
Vivemos, assim, uma vida de bichos, ambicionando tudo de material, por grande obscuridade do espírito.
A matéria é um ser e um estado provisório, sendo que o nosso ser verdadeiro não é material, nem provisório: é eterno!
Portanto, não somos daqui deste mundo material. Estamos aqui de passagem, razão porque daqui nada, nem ninguém levaremos conosco.
Enquanto não nos conscientizarmos disso, essa grandiosa anfitriã, a Mãe Natureza, dona de tudo e de todos, vai tornar nossa vida cada dia mais difícil, cheia de sofrimentos, lágrimas e dores, até que acordemos deste sono de pedra, deste sono material.
A Natureza, essa bondosa anfitriã, que vem nos aturando há milhões de milênios, está muito cansada de nos dar sempre tudo de graça e somente receber a grosseria e a ingratidão de nós, seus hóspedes, bem como o hediondo e milenar desrespeito às suas leis naturais, vivendo nós como verdadeiros parasitas dela.
E, por isso, cansada de assistir tanta inconsciência, a Natureza trouxe para nós o conhecimento dessas leis, que congregam a cultura natural dela, a Cultura Racional, que é completamente diferente dessa cultura artificial que criamos pela nossa vontade de querer fazer melhor e mais do que a Dona de todas as vidas, a Natureza.
Essa magnânima anfitriã, de tão bondosa que é, fez todas as nossas vontades, respeitando nosso livre arbítrio, a ponto de atender nossos desejos absurdos de criar coisas contra ela própria, assim como os instrumentos bélicos e a bomba atômica.
E, assim, é que foi criada a cultura artificial, filosófica e científica, irradiada pelo pensamento e a imaginação, cujas conseqüências têm degenerado, têm deformado e têm poluído toda a Natureza, inclusive nós.
Cansada, sim, muito cansada a Natureza está. E a prova desse cansaço é ela ter mudado de fase, da fase do pensamento, onde alimentava nossos desejos, ambições, sonhos, ilusões e fantasias, mudando para a Fase Racional, onde ela, através do desenvolvimento do raciocínio, nos ensina, pela derradeira vez, suas leis naturais, desvendando todos os mistérios, fenômenos, finitos e transfinitos e ainda nos revelando nossa e sua verdadeira origem.
E o que isso significa para a humanidade?
Significa o fim da classe do animal Racional e o início da evolução humana para a classe de Racional, deletando essa parte animal embrutecida, grosseira, atrasada, que, por viver desconhecida de si mesma, nunca respeitou as leis naturais da casa em que está de passagem, que é este mundo material.
Então, minha gente, essa mudança de fase da Natureza é o BASTA dela aos abusos do animal Racional, dando uma decisão em todos nós: “RACIOCINE! PARE DE PENSAR, SENÃO LIQUIDO VOCÊ!”
E nesse cansaço milenar a Natureza já não suporta mais os abusos; ainda mais quando já nos deu a solução do nosso desequilíbrio pelo desenvolvimento do raciocínio na CULTURA RACIONAL – e vê a grande maioria sem interesse algum pelo presente que nos deu e sem ao menos curiosidade de averiguar de que se trata.
Essa a razão dessa situação tenebrosa no mundo inteiro, de tantas hecatombes, monstruosidades e destruições pavorosas: a Natureza cansada, está liquidando todos aqueles que não querem SE CONHECER, nem conhecer as leis naturais da Natureza.
Situação essa que vai crescer assustadoramente, enquanto todos não passarem a SE CONHECER pelo desenvolvimento do raciocínio.
Livre dela, dessa situação horrorosa, apenas estarão os corações humildes que acataram e estão acatando as recomendações e advertências dessa paciente e bondosa anfitriã, que é a Natureza, que desde 1935 está a nos dizer:
“Quem és tu, que a ilusão é tanta, incapaz de definir o teu eu?!”
“Raciocine, porque a fase do pensamento terminou e o pensador perdeu o direito de viver.”
“Leia e releia os Livros de Cultura Racional Universo em Desencanto, a cultura natural da Natureza, para não descer para as classes inferiores do animal irracional, porque a Natureza é de transformações.
Raciocinando se transforma para cima e retorna à sua verdadeira origem, no seu verdadeiro estado natural de energia pura, limpa e perfeita.
Pensando se transforma para baixo, continua na matéria como bicho irracional, porque na Natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma de uma vida para outra e de uma forma para outra, porque a Natureza é de transformações!”
Acorda, minha gente, que ainda há tempo de SE CONHECER!
http://www.universoemdesencanto.com.br
http://www.webradio.universoemdesencanto.com.br
http://www.programaavozracional.com.br
http://www.boanoitebrasilracional.blogspot.com
http://www.encontroracional.com.br

Read Full Post »

 

OgAAAPdMN7Ry5OfcKkv-etWUz5eu2dZTMF1YBEv8qofYFQQaJnhw01DvMKpCQu26hEGm_uNLcpByVhC2Jp7EQ1aiJEwAm1T1UDVh3WVuxyiuYqYkTor8zBO5MAYI

De onde viemos? Para onde vamos? Quem somos realmente?
Há milênios essas perguntas instigam a humanidade e a procura por suas respostas criou mitos, lendas, teorias, filosofias e religiões. Anima a ciência e impulsiona grandes descobertas. Mas uma resposta única, definitiva ainda não foi estabelecida. E sabem por quê? Porque somos vários. Somos múltiplos. Somos milhares… não apenas como um grupo, sociedade, mas como pessoa. Cada ser humano é um universo variado, um conjunto de pensamentos, imagens, emoções e desejos que mudam a cada segundo, seguindo uma louca corrente que dificilmente conseguimos acompanhar: a corrente da nossa própria mente. E se sobre nós mesmos não conseguimos ter certeza do que realmente somos, como funcionamos, muito mais difícil compreender a natureza, o universo além do nosso próprio corpo e mais além do que as vistas alcançam.
Parece tão complicado e impossível quanto achar, não uma agulha, mas um fio de cabelo loiro em um palheiro. Desanimador, não? Mas aí é que está a grande surpresa. Não desistimos! Séculos após séculos, homens e mulheres das mais diferentes culturas e personalidades sempre tiveram essa curiosidade e necessidade de resposta – “Quem somos, de onde viemos, para onde vamos?” Alguns recuam logo no começo e dizem: “Ah, isso não tem importância e nem solução. Se a vida é finita, então vamos curtir e deixar rolar. Carpe Diem.” É verdade. Essa constatação é um excelente analgésico, mas no fundo do fundo essa falta de objetivo, de um sentido maior, não deixa de incomodar. Principalmente quando o sofrimento bate à nossa porta e nossas tragédias humanas arrebatam esse comodismo. Aí nesse momento percebemos o quanto é importante SABER ESSA RESPOSTA. Definir esse sentido. E por isso, não desistimos. Em meio ao palheiro de nossas emoções e pensamentos, no cumprir das obrigações diárias, lapidados pelo sofrimento, vamos amadurecendo e aprendendo a separar palha por palha, experiência por experiência… até achar o fio dourado. O grande tesouro. A SUA VERDADEIRA INDIVIDUALIDADE. QUEM EU REALMENTE SOU. A VOZ, O VERBO, DENTRO DE SI. É um Universo em Desencanto. O seu universo, a sua vida.
Essa descoberta, ao contrário do que possa parecer, não é uma empreitada egoísta. Pelo contrário. Quando afinamos a nossa sintonia encontramos a Paz. E ela, somente ela, pode proporcionar o Amor. O verdadeiro, o que une, o que acolhe, que ampara. Sem ciúmes ou posse. É o amor Divino, o amor que liberta. E aí, a partir dessa descoberta deixamos de ser milhares e diferentes, como as cores do arco-íris, para sermos UNO, únicos, unidos… como a Luz Branca que contém todas as cores e nos remete a Deus. Apenas o Amor de Deus consegue unir “perfeitos” e imperfeitos, “bons” e maus, “corretos” e errados. E sob a ótica do amor Divino paramos de dividir, passando a enxergar o que temos em comum. De bom ou de ruim. Seja você norte-americano ou iraniano. Evangélico ou espírita. Rico ou pobre.
Essa integração, essa união, recebeu um nome específico dentro de um Conhecimento que tem por objetivo estimular a Voz Divina dentro de cada um: Imunização Racional.
Ser Racional, a capacidade de transcender aos instintos, o que nos diferencia nessa busca por respostas é o que nos liga a Deus. Não que sejamos melhores que os outros animais, mas somos diferentes. Temos o Dom Divino dentro de nós, chamado de Raciocínio. Não é o raciocínio que pensamos como frio, calculista, matemático… não, isso é pensamento lógico. O Raciocínio referido nesse Conhecimento é algo puro, fino, sensível, divino. É algo infinitamente poderoso, o nosso elo com Deus, com a Origem e que está localizado no nosso corpo num órgão muito importante, a Glândula Pineal.
É sabido que o nosso mundo é composto não apenas pela matéria, pelo que temos a capacidade de enxergar, mas também por várias energias invisíveis aos nossos olhos, mas que movimentam o mundo e a nossa vida. A nossa interação com esses dois campos, o visível e o invisível, é um fato concreto, acreditando nisso ou não. E o nosso corpo é um centro astrológico capaz de receber e transmitir energias a toda hora e momento como uma TV ligada sem parar. Afinal, da onde vem nossos pensamentos? Por que é tão difícil controlar a nossa mente? É como ter um invasor dentro da própria casa, no seu corpo! E nem sempre isso é algo muito agradável… quem nunca se angustiou em querer parar uma lembrança ou uma idéia incômoda sem sucesso? Quem nunca pensou, se preocupou tanto, tanto a ponto de achar que a cabeça irá explodir? Que atire a primeira pedra… Pois é na glândula pineal, nesse pequenino órgão localizado no centro de nosso cérebro que está a solução! Ali está concentrada a Energia da Origem, a Força Primeira, a SEMELHANÇA DE DEUS. Um código, um programa, uma receita escrita há milênios com todas as respostas que sempre nos incomodou. Por isso ela é chamada de “A máquina do Raciocínio”, a ferramenta que estava apenas aguardando a chave para colocá-la em ação. Como o maestro de uma grande orquestra, o Raciocínio é a força capaz de afinar a louca corrente de nossos pensamentos e imaginações. Como um ágil gerente ele não podará a nossa criatividade mas equilibrará as nossas emoções nos brindando com a grandeza do bom senso, a beleza do autoconhecimento e a força da orientação certa. É tomar as rédeas da própria vida. Se imunizar do vírus da ignorância.
Ao ativar a SEMELHANÇA DE DEUS dentro de nós, deixamos de sermos milhares para sermos UM. Assim como no princípio. Uma única energia, uma única vibração. O Amor. E aí, deixamos de sermos católicos ou muçulmanos, ateus ou evangélicos, umbandistas ou judeus, brancos ou negros, homens ou mulheres. Seremos apenas filhos de Deus. Partículas do Universo que finalmente se reencontraram. E aí sim, finalmente A RESPOSTA será concretizada.
Para se realizar esse encontro apenas temos que plantar. Cultivar, cultuar ao conhecimento da vida, da natureza, da sabedoria. E se a Razão Original é a Casa de Deus, cultivar esse Dom Divino é uma cultura! Cultura Racional.

Read Full Post »

NATUREZA

 

Este mundo é formado por um conjunto elétrico e magnético, tudo se baseia nestas duas energias, são co-irmãs, se elas não existissem não existiria este mundo, pois tudo segue a mesma base, tudo que existe é magnético e elétrico, energia ou matéria, pois estas energias geram as matérias, cada uma de uma forma, de uma classe, de uma categoria, de uma espécie, de um estado, enfim o todo que vemos e sentimos.
Este mundo é de transformações, onde nada se acaba, mas tudo se transforma de um estado para outro, assim como a água que tem o estado sólido, o líquido e o gasoso e o que movimenta estes processos é a temperatura, que quanto mais elevada, mais quente, mais liquidifica, derrete e gaseifica, transformando em fumaça, em gás, ou energias elétrica e magnética.
Este conjunto elétrico e magnético que forma o mundo é chamado de Natureza e esta é formada por sete partes, que é o Sol, a Lua, as Estrelas, a Terra, a Água, os Animais (Racionais e Irracionais) e os vegetais. Então temos a parte visível e a parte invisível, o sólido e o líquido (matéria) e o gasoso (invisível) que podemos chamar de fluídos, ou energias, as quais sentimos, mas não vemos.
Por se tratar de um conjunto está tudo interligado e por estar interligado, um influencia o outro, pois tudo tem vida e tudo que tem vida tem ação e uma ação causa uma reação, a chamada Lei de causa e efeito.
Tudo que existe é efeito de uma causa, assim sendo, somos efeitos ou filhos deste conjunto eletromagnético que é a causa e que damos o nome de Natureza, que por sua vez é efeito do Mundo Racional que deu origem a este mundo.
Esta Mãe Natureza gerou, formou, deu vida, criou e mantém todos os seus filhos ou feitos. A regra ou educação que ela quer de seus filhos sigam chama-se Leis Naturais da Natureza.
O homem quando surgiu neste mundo encontrou tudo pronto para seguir estas leis, mas por inconsciência, soberbia e ignorância, pela falta de conhecimento de si mesmo, achou que tudo foi feito somente para ele e que era tudo seu, podendo fazer o que bem entendesse, não respeitando aonde chegou e cometendo assim as maiores monstruosidades contra a sua mãe e aos outros filhos-irmãos hóspedes, considerando-se superior, mas desrespeitando aos que considerou inferiores, esquecendo-se que ele é o maior parasita que de tudo necessita e que nada da em troca, sendo assim um verdadeiro monstro em razão dos crimes cometidos contra as leis naturais.
Procederam e procedem desta forma contra si mesmo, para depois terem que pagar por todos esses crimes hediondos, esse abuso, essa falta de respeito contra as Leis naturais da natureza.
Então, a natureza não merece respeito? Os seus filhos não merecem respeito?
Todo respeito é pouco.
Por que depois vem a sofrer as conseqüências dos crimes, dos abusos e da falta de respeito.
Sim, que o mesmo sentimento que você tem, quem lhe fez também tem. Quem lhe fez é assim como você. Quem lhe fez tem sentimento, tem amor, tem carinho, tem gosto. Só é diferente, porque não procede igual a você. Você procede diferente, por que abusa da vontade e do livre arbítrio, abusa da expansão da vontade. E nos abusos está o desequilíbrio, porque tudo tem limite; passando do limite, está abusando criminosamente contra si mesmo.
A Natureza é mãe, tem vida, dona de todas as vidas, tem sentimento igual a todos os que ela fez, tem amor, mas em grau muito mais elevado que os seus filhos. E assim ela é igual a você, você é a Natureza e a Natureza é você.
Se você tem sentimento ela também tem, se você é um aparelho de reprodução de filhos-irmãos, ela também é, por todos serem filhos de uma Natureza só. Se você tem zelo pelas suas coisas, ela também tem, se você tem amor às coisas, ela também tem, se você não quer que abusem de você, ela também não, se você não quer que falte com o respeito com você, ela também não, se você não quer que mate os seus filhos, ela também não, se você não quer que molestem os seus filhos, ela também não, se você se revolta com as ingratidões, ela também sente o mesmo, o que você não quer que façam com você, ela também não quer que façam com ela.
O problema é que o ser humano é desconhecido de si mesmo, não se conhece, não conhece a Natureza, não sabe nada de sua existência, do por que deste mundo, não conhece as Leis naturais da Natureza, não sabe por que é um animal racional, não sabe a origem de animal e nem de racional, nada sabe deste conjunto, suas influências e origens, nem de si mesmo, vive por ter vida e segue prosseguindo de acordo com a cultura que aqui quando chegou encontrou, fruto de herança de antigos atrasadões.
Basta ser um animal, para não saber o porquê que existe nestas condições, como há muito perguntam sem resposta:
Por que sou assim? Por que me fizeram assim? De onde vim, para onde vou? De onde sou? Por que este mundo e todos são assim? Por que já nasço condenado à morte e nem direito, a saber quando vou morrer tenho? Por que a vida é de sonhos e ilusões? Por que a vida não é como eu quero, mas como ela tem que ser e por que não sei como ela é? Por que penso? Por que imagino? Por que tudo para se conquistar é necessário luta, esforço e sacrifício? Por que do Sol, da Lua, das estrelas, da Terra, da Água, dos Animais e dos Vegetais? Por que existe dia e noite? Por que todos fazendo parte deste conjunto são todos diferentes, cada um com o seu ponto de vista e assim gerando as intrigas, guerras e confusões?
E mais uma infinidade de perguntas jamais respondidas e que se for fazê-las vai-se longe, mas tudo se resume na falta de cultura, mas uma Cultura Racional, a cultura natural da Natureza, a cultura verdadeira do animal de origem racional.
Onde cada um define a vida ao seu modo, ao seu ponto de vista, dentro da sua verdade, fruto de sua educação, cultura, aparências e experiências, não pode haver concórdia, pois cada um quer impor a sua verdade gerando assim a discórdia, mas a verdade é uma só, é racional, que se baseia na razão, na origem, que se prova e comprova com base e lógica.
Assim há a concórdia tão almejada e nunca conquistada. O conhecimento de recuperação para todos voltarem a ser aquilo que eram, racionais puros limpos e perfeitos, vivendo no seu verdadeiro mundo de origem o Mundo Racional.
Enquanto acharem que somente na ciência filosófica e científica, está o domínio de tudo, que fora da ciência, coisa alguma pode ser considerada como realidade positiva e absoluta, que nada pode superá-la, por estar sob as dogmáticas do alfabeto artificial, das aparências do alfabeto artificial, enquanto estiverem encantados, convencidos, orgulhosos, arrogantes e vaidosos, por se considerarem de mais alto nível cultural, mais sofrimento colherão, pois a cegueira é tanta que o que tem sofrido é ainda pouco para baixar a crista e enxergar a realidade da vida, mantendo assim o sofrimento, os enigmas e mistérios.
Todos sofrem por falta de saber, e ninguém tem o saber, pois todos sofrem, sofre quem sabe, sofre quem diz que sabe e sofre quem nada sabe, provando que é um saber aparente, impostor e ludibriador. E continuando a busca de solução em um conhecimento mentiroso que só alimentou mais discórdia e sofrimento. Mentiroso por ser baseado nas aparências e não na realidade.
O pensamento não foi feito para acertar, o pensamento é um instrumento de lapidação, existente para que através da lapidação preparasse o animal racional para adquirir o conhecimento verdadeiro, por isso ele só manteve os sofrimentos, os mistérios, os enigmas e nunca encontrou a solução da vida e isto é facilmente comprovado por quem quer que seja.
Ficamos com ele marcando passo e nos preparando para o encontro com a verdade absoluta, foi como que se estivéssemos subindo uma ladeira de bicicleta e quando estivéssemos chegando ao topo a corrente se rompesse e pedalamos mais rápido e mais forte e a bicicleta começa a descer de ré, sem controle, não atingindo o nosso objetivo e vendo todo o esforço sendo em vão e sem saber onde vai parar e como sairá desta aventura.
Tudo que existe é de origem do pensamento e da imaginação, que nada mais são do que as energias elétricas e magnéticas, e desde 1.935 a natureza mudou de fase e a energia que está regendo-a é a energia racional e como o homem se distanciou da Natureza ele não soube disto, apenas sente os efeitos, que são a liquidação física, moral e financeira, a poluição, as discórdias, a violência, o terrorismo, as guerras e os abalos naturais, pois desde então a natureza não está mais alimentando o pensamento e a imaginação e tudo que não é alimentado enfraquece, desequilibra e cai. Estas máquinas tiveram o seu tempo de evolução e de ação, agora é de desenvolver a terceira e última máquina, que é a do raciocínio e assim se ligar à Natureza e ao seu mundo de origem, o Mundo Racional e saber como voltar para ele.
Os livros “Universo em Desencanto” da Cultura Racional, frutos da Imunização Racional, são energias racionais materializadas e estas energias, com a leitura, vão desenvolvendo o raciocínio da pessoa e desmaterializando o habitante do Mundo Racional que está materializado em forma de máquina do raciocínio, a glândula Pineal ou epífise, que está situada no istmo do mesencéfalo, e assim ligando ao seu mundo de origem e retornando para lá, pois a causa de sermos animais não mais estará neste campo eletromagnético.
Tudo é energia, a energia transformada em corpos de matéria elétrica e magnética. Então a matéria está ligada a este conjunto elétrico e magnético que transmite os vírus ligados a ele, que é quando entram em função os efeitos da energia e a formação de toda a geração, de todas as espécies e cores. Por isso, na energia está a força mais poderosa do Universo, em que tudo são feitos, feito pela energia e a energia é que comanda os seus feitos. Mas por tudo ser energia, é que tudo se acaba e volta a ser energia.
A causa das doenças é um pólo de energia enfraquecido, por que às vezes a parte afetada está em curto e não funciona normal e no mau funcionamento começa a doer, ou às vezes é defeito da própria máquina. As doenças são curtos provenientes de cargas magnéticas demasiadas.
Da mesma forma acontece com o pensamento e a imaginação, que são energias, por isso não os vemos, e que são transmitidos pelo mal ou por aquele que lhe deseja mal, como pessoas invejosas, despeitadas, ciumentas, inimigos às vezes gratuitos, ou até magia negra que transmitem a carga que vai direto para a cabeça da pessoa desequilibrando-a, gerando assim somente pensamentos maus, desequilíbrio e confusões e é fácil comprovar este vinculo através da telepatia, transmissão de pensamento e intuições. Esta facilidade só é possível por sermos de mesma natureza fluídica. A pessoa quando se conhece sabe identificar esta energia e anular o seu efeito. Eis a razão dos desequilíbrios, de estar bem agora e daqui a pouco estar mal, de dormir bem e acordar mal, indisposto ou irritado, etc.
Mas a natureza além de criar tudo que existe, criou além do alimento, a flora vegetal, a flora marinha e a flora espiritual, que são os fluídos bons. Para quem sabe empregar cada uma desta flora, sabe se defender e se curar. Essas cargas, para eliminá-las é preciso que sejam grandes conhecedores de energia elétrica e magnética. É preciso estar ligado a estas energias, para conhecê-las e ligado à energia superior que é a energia Racional, para saber como eliminá-las.
O Raciocínio guia e esclarece o pensamento e a imaginação por ser superior, por ser a energia do nosso mundo de origem, e por ser a energia mais poderosa que existe é capaz de equilibrá-las.
Portanto, para resolver os problemas da vida e viver em harmonia com a natureza é necessário se conhecer, e para que isto aconteça basta apenas o estudo de Cultura Racional, lendo os livros Universo em Desencanto.
(Texto de Fernando Luchetti – SP)

Read Full Post »

Older Posts »